21 março 2012

[poesia]

Desculpem-me a falta de modéstia;
Desculpem-me este brilho no olhar;
Desculpem-me o coração descompassado;
Desculpem-me a minha sensibilidade acutilante 

                      [não confundir com fragilidade];
Desculpem-me esta alegria que faz de mim quem sou;
Desculpem-me o meu romantismo exacerbado 

                       [não confundir com pieguice];
Desculpem-me esta visão subliminar do mundo;
Desculpem-me esta claridade nas palavras;
Desculpem-me se a paixão é o mote da minha vida;


[quando rio às gargalhadas, quando amo apaixonadamente, quando escrevo, quando leio os meus poetas, quando olho o mundo através da lente da minha leica, quando danço tango argentino, quando cozinho para quem gosto, quando projecto, quando partilho, quando me entrego]