19 março 2012

[há dias assim]

Há dias que se nos colam à pele como uma memória feliz e nos fazem acreditar que a tudo resistimos. Dias que são marcos bem definidos na cronologia da nossa existência. Dias que deitam por terra todas as teorias antes perfilhadas e abnegadamente defendidas. Dias que nos dão asas e sorrisos rasgados às escuras. Dias tão grandes que o peito é um lugar demasiado pequeno para o acolher. Dias infinitos de esperança e de crença inabalável num amanhã iluminado.


[recordo-me hoje de um dia assim]