20 setembro 2010

[as tuas mãos]

As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz
encalhada como um barco nos confins do olhar

ergues de novo as cansadas e sábias mãos
tocas o vazio de muitos dias sem desejo e
o amargor húmido das noites e tanta ignorância
tanto ouro sonhado sobre a pele tanta treva
quase nada


Al Berto

13 setembro 2010

[gosto]

gosto de viajar sem destino. gosto de livros. gosto de fotografar com a minha M6. gosto de gatos. gosto de abraços imprevistos. gosto de correr na minha praia entre o nevoeiro. gosto de escrever em moleskines. gosto de banhos demorados. gosto de [fazer] designgosto de aprender. gosto de chás, mantas e o vento frio a bater-me no rosto no Inverno. gosto de frutos vermelhos [em especial de cerejas]. gosto de cozinhar e inventar novos pratos. gosto de aprender. gosto de jantares com amigos. gosto de balões de ar quente. gosto de nadar nua no mar alto. gosto do murmurar do mar ao fim da tarde. gosto de barba por fazer. gosto de faróis. gosto que me surpreendam. gosto de ouvir contrabaixo. gosto de poemas simples que me façam estremecer. gosto de cinema. gosto de rir à gargalhada debaixo dos lençóis. gosto de pequenos-almoços tardios. gosto da verdade [sempre]. gosto de papoilas, girassóis e buganvílias. gosto de conversar horas a fio com quem sei que me compreendegosto de escutar música ao vivo. gosto de lareiras acesas. gosto do cheiro a terra molhada. gosto de sonhar com a minha avó. gosto de pessoas simples e descomplicadas. gosto de andar descalça. gosto de sorrisos francos e olhares transparentes. gosto da sensação de querer eternizar um momento. gosto de praticar hatha yoga. gosto de manhãs luminosas. gosto de cartas escritas à mão. gosto do céu salpicado de estrelas. gosto de caminhar em cidades desconhecidas. gosto de mãos. gosto de dançar. gosto do conforto de um silêncio partilhado. gosto de janelas coloridas em casas antigas. gosto de adormecer abraçada. gosto de experimentar novos sabores. gosto de mimar as pessoas que amo. gosto de gelados. gosto do riso das crianças a brincar. gosto de óculos de sol. gosto de me sentir arrebatada. gosto de plantar e colher ervas aromáticas. gosto do delicioso cansaço quando regresso do ginásio. gosto de teatro com bons textos. gosto de me desafiar. gosto de ensinar. gosto de reencontrar amigos. gosto de relâmpagos. gosto de desenhar a carvão e pintar aguarela. gosto de chocolate preto. gosto das pequenas cumplicidades. gosto de me perder e descobrir caminhos novos. gosto de ver o pôr-do-sol em esplanadas tranquilas. gosto [sobretudo] de viver.

10 setembro 2010

[saudade]

Espero que tu te voltes para que o meu deslumbramento se imobiliza sobre o teu corpo em movimento, o teu sorriso infinito, desesperadamente infinito como o azul do céu. Vejo-te mas não te conheço ainda, quero conhecer-te mas não sei que palavras inventar para te puxar para a minha vida. […] Junto de ti descobri, de repente, a alegria que trazia escondida numa cave do coração. Deixei de ter caves e sótãos dentro de mim, corredores escuros onde o vento do medo uivava. […] Quantos quilos de amor tens ainda para me dar, diz-me? Quantos quilómetros teremos ainda de andar para nos amarmos só com riso, sem lágrimas nem culpas como dantes?

Inês Pedrosa in Fica comigo esta noite



[deviantART]

05 setembro 2010

[memória]

Gostava que assim fosse, mas não podemos suspender no tempo um instante precioso e fazê-lo perdurar incólume na esfera dos dias. Todos os dias recuamos mais um passo. Todos os dias te afastas de mim. Todos os dias me despeço de ti. Até que um dia deixarei de ter rosto, voz ou significado e tu serás uma sombra ténue duma memória arrancada a ferros num tempo longínquo. [Todos os dias.] Restarão as palavras, as fotografias gastas e a planos esboçados em segredo de um futuro que nunca aconteceu.


[deviantART - manipulada digitalmente]