17 julho 2010

[o mundo inteiro]

Quis dar-te o mundo. [O meu mundo inteiro.] Levar-te pela mão e mostrar-te que a vida não é só isso que tu tens. É tudo o resto que estás a perder. [Tudo o que te falta conhecer.] Quis fazer-te sentir coisas que nunca antes tinhas sentido. [Quis sentir coisas que nunca antes tinha sentido.] Quis virar o mundo ao contrário. [Fazer do mundo uma casa pequena demais para nós os dois.] Conhecermos de mãos dadas mares, ilhas, casas, pessoas, países, sabores diferentes, emoções novas, prazeres intraduzíveis por palavras. Tive medo mas acreditei. Acreditei sempre que poderia soltar amarras e deixar-me flutuar à deriva. Que estarias lá. Para me abrigares nos teus braços e não me deixares afogar. Acreditei que o meu mundo te faria ser melhor. Te faria querer abrir os olhos. [Te faria deixar de ter medo de viver.] Que o meu mundo inteiro seria feito de luz e de nuvens e de poemas limpos e claros. Que te envolveria com palavras originais inventadas para nós e apenas para nós fariam sentido. [Acreditei que quando se quer e se gosta e se sente só a verdade é permitida.] 
Acreditei e esqueci-me de abrir os olhos.



[Quis dar-te o mundo. O meu mundo inteiro.]