26 maio 2010

menina do mar

Era uma vez uma casa branca nas dunas, voltada para o mar. Tinha uma porta, sete janelas e uma varanda de madeira pintada de verde. Em roda da casa havia um jardim de areia onde cresciam lírios brancos e uma planta que dava flores brancas, amarelas e roxas.

Nessa casa morava um rapazito que passava os dias a brincar na praia.
Era uma praia muito grande e quase deserta onde havia rochedos maravilhosos.
Mas durante a maré alta os rochedos estavam cobertos de água. Só se viam as ondas que vinham crescendo do longe até quebrarem na areia com barulho de palmas. Mas na maré vazia as rochas apareciam cobertas de limo, de búzios, de anémonas, de lapas, de algas e de ouriços. Havia poças de água, rios, caminhos, grutas, arcos, cascatas. Havia pedras de todas as cores e feitios, pequeninas e macias, polidas pelas ondas. E a água do mar era transparente e fria.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in A Menina do Mar


[ariana luna] Paraíso algures no Norte, 2009

[desde menina que sonho com uma casa de grande portadas brancas abertas sobre um mar imenso]

09 maio 2010

validade

Há relações [imponderavelmente] com prazo de validade.

[deviantART]

[Tento - tal como nos iogurtes - nunca deixar o prazo chegar ao fim. Pela minha sanidade mental.]

07 maio 2010

veloz como o desejo

hoje, vou correr
à velocidade da minha solidão

Al Berto


[deviantART]

03 maio 2010

na tua boca

o que eu gostava
era de poder falar na tua boca
para que as tuas palavras fossem minhas
e pudesse permanecer silencioso ao teu lado.


Pedro Paixão


[ariana luna] 2009

02 maio 2010

close up

pudesse eu fotografar-te o coração...

[deviantART]