15 junho 2009

cá dentro

Voa coração.
Ou então arde.

Eugénio de Andrade


[Getty Images]


[Há dias em que não queria ter coração. Queria sentir menos. Anestesiá-lo. Desligá-lo das máquinas. Dizer-lhe baixinho que não sinta. Apertá-lo com força até lhe tirar todo o sangue. Tirar-lhe umas peças se possível.]