25 fevereiro 2009

objecto de culto #1

Quando for grande [e tiver uma Harley] quero um destes.

Capacete Grenelle, in Les Ateliers Ruby

19 fevereiro 2009

Slumdog Millionaire

O que é preciso para encontrar um amor perdido?

A. Dinheiro
B. Sorte
C. Inteligência
D. Destino


Imagens do filme Slumdog Millionaire, do realizador Danny Boyle;

[E. Uma bússola?]

18 fevereiro 2009

primavera

Na minha varanda já é Primavera.

[ariana luna] Fevereiro 2009

14 fevereiro 2009

14.02

Nasci no dia mais lamechas, pseudo-romântico e piroso do ano. [Entendi desde sempre esta manobra do destino como um mau presságio.]

[DeviantART – imagem manipulada]

[Gosto de corações (do símbolo gráfico, entenda-se), de histórias de amores secretos e proibidos, de poemas arrebatadores, de filmes e músicas que me arrancam cá de dentro emoções desconhecidas e de gestos incontidos de paixão. Nasci neste dia como poderia ter nascido em qualquer outro. Quis a vida (e o corpo da minha mãe preparado para me trazer ao mundo) que nascesse neste dia. Contra factos não há argumentos.]

13 fevereiro 2009

para o B.

09 fevereiro 2009

amores-perfeitos

Eu possa lhe dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Vinícius de Morais

Segundo as estatísticas actuais de um documentário recente, uma relação dura em média (na melhor das hipóteses) 11 anos.

[Getty Images – imagem manipulada]

[Quantas relações das últimas gerações conhecem com mais de 11 anos? Refiro-me a uma relação completa (não a simples união de 2 pessoas) que não contempla silêncios incómodos, olhares sem ternura, pessoas acomodadas pela existência de filhos, palavras amargas atiradas como dardos ou traições esmagadoras (efectivadas ou sentidas). Que é feito dos amores eternos e perfeitos que nos ensinaram as histórias infantis?]

05 fevereiro 2009

água nos olhos

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,

amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos, bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo – é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fontes?


Carlos Drummond de Andrade


[Getty Images - imagem manipulada]

03 fevereiro 2009

wake up

Aprendes que a comunhão é matéria delicada, gelo fino, nó frágil. Juntos naquele abraço irrepetível, siamês, desmembrados quando estala a tormenta.
Assustado, sem saber o que fazer, ele isola-te. Empurra-te para longe, afasta-se do abraço.
Já não são um, como julgamos um dia, mas dois distintos, como somos afinal sempre, se realmente abrirmos os olhos e não pensarmos só com o que nos bate dentro do peito.
[…] Lembras-te hoje de toda a preparação. Aquelas coisas em que acreditamos quando ainda não sabemos que será o corpo a doer. E com o corpo não há ensaios.

Rodrigo Guedes de Carvalho, in Canário

[Getty Images]