17 novembro 2008

croma

"... cores perdidamente vivas, sem sombra de delicadeza, verdes que eram azuis, azuis que eram violeta; o ouro dos recipientes para a água, pequenos e preciosos como escrínios; as concentrações da turba vestida de faixas de pano adejantes; os sorrisos nos rostos negros sob os turbantes brancos – tudo isso reverberava nos meus olhos, imprimindo-se na córnea com uma violência tal que a traçava."

Pier Paolo Pasolini, in O Cheiro da Índia