30 agosto 2007

exigência

A tua exigência sem amor, revolta-me.

O teu amor sem exigência, humilha-me.

O teu amor exigente dignifica-me.


Henri Caffarel

29 agosto 2007

clave de sol

O meu amor tem lábios de silêncio
E mão de bailarina
E voa como o vento
E abraça-me onde a solidão termina

Jorge Palma


[Esta música foi só para mim.]

27 agosto 2007

perspectivas

E ela diz que me adora quando o dia vai a meio
O copo passa de meio vazio para meio cheio
A palavra ganha vida e fala à minha frente
Sigo calmo atrás dela, deixo crescer a semente

Da Weasel




[A vida está a fervilhar de possibilidades. Basta talvez ter a sapiência necessária para a observarmos numa outra perspectiva. Desejar ter asas, mesmo sabendo que dificilmente voaremos...]

24 agosto 2007

under my skin

Esta noite invadiste o meu sono sem pedir licença. Alojaste-te na mais alta varanda do meu pensamento e ficaste ali. A espiar-me os passos. [Não me doías cá dentro fazia muito tempo. Não me inundavas as artérias desde que te comprimiram até à asfixia dentro do meu peito.]
Consegui definir-te claramente as mãos, a boca, a figura delicada e leve como uma nuvem. Nunca te vi o olhar. A forma, a cor ou a expressão. [Como se a minha imaginação se retivesse e não te conseguisse atribuir uns olhos.] Permaneceste em silêncio. Imóvel. Fitando-me fixamente com uns olhos inquiridores que nunca consegui vislumbrar. [Como se a gritar por dentro a minha rejeição.]

Mataram-te do meu pensamento à queima-roupa.

[Nunca mais consegui sonhar-te.] Imaginar-te sequer uma hipótese, uma possibilidade.
Desertas-te de dentro de mim, sem que conseguisse proteger-te da minha dor. Verrumei-te do meu cérebro com o estilete da negação. Sonhei contigo durante noites intermináveis. Chorei-te nas horas infinitas, recolhida no meu casulo. E um dia [sôfrega de luz] decidi escapar da escuridão e silenciar-te para regressar em liberdade.

Não consigo pensar em ti. Sequer falar de ti. [Sonhar contigo.] Tenho que limpar as minúsculas faúlhas espalhadas no meu corpo, que me embaciam o olhar de tempos a tempos. Preciso apagar definitivamente esta réstia de cinza incandescente que tentaste atear esta noite.
Não passaste de um devaneio. De uma esperança. De uma promessa de claridade. Uma equação perfeita à espera de um momento mágico.

Nunca passaste de um desejo e [sem o saberes] já te tinhas alojado no refúgio mais definitivo do meu coração…


[Depois de muito tempo, sinto-me serenamente feliz. Sem a voracidade de outros tempos em construir castelos de areia. Não projecto os dias que permanecem no recôndito segredo dos meus passos vindouros. Estou a aprender a viver um dia de cada vez.]

21 agosto 2007

D de Design

O amor não tem forma. Estar apaixonado é a razão que nos mantém vivos.
O meu design não podia inspirar-se em mais nada.

Fabio Novembre, designer

[Em miúda quis ser quase tudo. Bailarina, escritora, egiptóloga, detective e sobretudo fotógrafa.
Agora não poderia ser outra coisa senão designer.]

20 agosto 2007

O Silêncio

Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,
e o sono, a mais incerta barca,
inda demora,


quando azuis irrompem
os teus olhos
e procuram
nos meus navegação segura,


é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,
pelo silêncio fascinadas.


Eugénio de Andrade

17 agosto 2007

When a man loves a woman

Para a M. e o C. namorarem nestas férias

When a man loves a woman
Can't keep his mind on nothin' else
He'd trade the world
For a good thing he's found
If she is bad, he can't see it
She can do no wrong
Turn his back on his best friend
If he puts her down

When a man loves a woman
Spend his very last dime
Trying to hold on to what he needs
He'd give up all his comforts
And sleep out in the rain
If she said that's the way
It ought to be

When a man loves a woman
I give you everything I've got (yeah)
Trying to hold on
To your precious love
Baby please don't treat me bad

When a man loves a woman
Deep down in his soul
She can bring him such misery
If she is playing him for a fool
He's the last one to know
Loving eyes can never see

Yes when a man loves a woman
I now exactly how he feels
'Cause baby, baby, baby
I am a man
When a man loves a woman

Interpretado originalmente por Percy Sledge

[Esta semana eu e a M. estivemos numa de nostalgia romântica ao estilo do "Oceano Pacífico", para animar as hostes e esquecer que temos n coisas para fazer enquanto o sol brilha lá fora. Esta foi uma das mais votadas.
Foi lindo ver a M. suspirar…
]

16 agosto 2007

zen

Fotografia: Paulo Marques

[Viver é uma coisa fantástica, não é?]

14 agosto 2007

Sometimes

Sometimes,
When I look deep in your eyes, I swear I can see your soul...

James


13 agosto 2007

1



[1 mês de descoberta...]

10 agosto 2007

apesar de

Apesar da imensa fragilidade que reveste todas as histórias de amor, das saudades que me fazem vacilar a voz, das personalidades fortes que nem sempre estão sincronizadas, das cidades culturalmente rivais, dos telemóveis que nos boicotam as mensagens, dos medos impressos na pele e dos pezinhos de lã a cada palavra que nos toca por dentro...

[Apesar de tudo e do que mais aconteça, não há nada nem ninguém que consiga beliscar cada um dos nossos momentos.]

5 anos de viagem

Hoje faz 5 anos que me abandonaste. Tu, que sempre pensei que viverias para sempre. Na fortaleza do olhar, na brandura do sorriso, na sapiência dos imensos anos que lhes perdi a conta.

Quando partiste não me despedi de ti. Não consegui. Não me deixaram.
Soube-o pelo meu melhor amigo a passear numa praia alentejana, numa manhã de sol e céu muito azul.

Dentro de mim continuas com os teus olhos cinzentos a baloiçarem na minha infância feliz.

Ninguém me conheceu tão profundamente quanto tu. Todos os medos, todos os sonhos, todas as utopias. Precisei tanto de ti nestes 5 anos minha avó!... E sempre que chamei por ti, senti o teu abraço protector.

[Dentro de mim faz 5 anos que partiste em viagem. Num mundo que só tu conheces. Num mundo que só comigo partilhaste. Um dia destes chegarás com a mala carregada de histórias com final feliz, que recordaremos nas nossas imensas noites de insónia...]

07 agosto 2007

com os pés na areia

Existem dias em que o pensamento está bem distante do corpo.

[Hoje o meu pensamento – apesar da concentração exigida e de quase não ter desviado a cabeça defronte ao computador – está a caminhar na areia morna e a escutar o marulhar suave das ondas. O sol abraça-me num abraço delicado e tudo parece sereno e tranquilo. Tu estás comigo, eu sei. Estás sempre.]

02 agosto 2007

taralhouca

Feminino singular de taralhouco
Adjectivo (de tarouco)


Senil;
Decrépito;
Caduco;
Apatetado;
Idiota;
Desmemoriado em resultado da idade.

01 agosto 2007

as tuas mãos

[Sinto falta de mim. De nós. Das tuas mãos.]

a vida

Hoje a vida dói-me.

[O meu pensamento, o meu silêncio e o meu carinho estão com os amigos que hoje sofrem. Estou aqui se precisarem.]